Linda Su, como vai? Animada com o fim de ano? Agradeço pelas suas palavras na última vez. Elas foram muito importantes para mim e se mostraram verdadeiras. Confiar em Deus é bem difícil em alguns casos, mas depois que a situação problemática passa, percebemos que é a melhor opção. Obrigada. Eu hesitei muito em te falar o que vou contar agora. A única pessoa que sabe é minha mãe, mas gostaria de ter sua ajuda também. Um tempo atrás eu falei brevemente que gostava romanticamente do meu amigo, não sei se você se lembra. Descobri por meio de uma boa amiga que ele também gosta de mim. Mesmo assim, eu decidi não falar nada para ele, principalmente porque quero que ele tenha a maturidade de chegar e me contar. Mas acho que maturidade é o que falta para nós dois. Estávamos relativamente sozinhos antes de nos encontrarmos. Ele é filho único e eu praticamente também sou (deixa essa história pra uma outra vez), então o que minha mãe acredita é que encontramos amizade, apoio e alegria um no outro,podemos compartilhar sonhos, medos, descobertas, tristezas e alegria, podemos estar cada vez mais perto de mostrar quem verdadeiramente somos sem medo de julgamentos. Então acho que eu confundi as coisas. Há um rapaz incrível na minha igreja, e eu sinto alguma coisa, uma atração eu diria. Quando o vi pela primeira vez eu ouvi em minha mente “é ele”. Nessa época Deus já tinha conversado comigo vezes suficientes para que eu pensasse “é Deus quem está falando”, e foi o que eu pensei sobre esse garoto da igreja. Eu não gosto dele e sei disso devido ao que você já falou aqui: como gostar de alguém que não conhecemos? E é verdade. O que parece, é que meu amigo é a pessoa capaz de gostar de mim e ser sincero, a pessoa que eu esperei muito tempo para ser amiga, e o menino da igreja parece ser aquele que por viver a vontade de Deus é o correto, mas pelo qual eu não tenho contato, amizade e de quem eu duvido que possa ser gentil e amável como meu amigo é comigo. É óbvio que sou nova, mas às vezes eu penso que seria capaz de passar uma vida inteira ao lado do meu amigo. Outras vezes, acho o menino da igreja melhor. Minha amiga agora sabe que gosto do nosso amigo também, mas será que eu gosto mesmo? Ele conhece a Deus, ele sabe das coisas, ele disse ter aceitado Jesus, mas sinceramente, convivendo com ele e vendo as motivações dele, estamos trilhando caminhos diferentes. Ele conhece/sabe/aceitou Jesus…mas ele não entendeu tudo isso. Sabe, aquele entendimento que é tipo um tapa na cara e na consciência? Ele não entendeu. E eu penso em como ajo quando estou com ele. Não que eu seja atrevida, sabe, eu não desrespeito e ele, mas eu demonstro que gosto dele desse jeito. Nem tudo, mas a maioria das coisas que faço ou falo uma amiga pode fazer, mas talvez quando se gosta de alguém, essas “maiorias” sejam grandiosos despertadores de sentimentos românticos. Eu não tinha certeza se ele gostava de mim, só suspeitava porque sempre me dizia coisas muito bonitas. Será que eu manipulei ele? Estou com medo de ter sido maldosa. Além disso, acho que ele sente como quando se envolve com as coisas que gosta. Por exemplo: quando estou envolvida numa pesquisa que me agrada, numa descoberta de algo legal, fico tão concentrada, fora de mim e contente, que nem penso nele ou no outro rapaz, não penso em ninguém, penso em como eu poderia viver minha vida inteira fazendo as coisas que curto. Eu não quero me afastar do meu amigo, mas quero saber o que estou sentindo e porque estou tão confusa. Eu oro recorrentemente sobre isso, mas às vezes é tão bom pensar nele, lembrar do que ele disse, poder ficar perto dele, ver como os olhos dele se curvam quando sorri, ver a seriedade dele em explicar o que acha importante. Não quero que isso acabe, mas não sei exatamente o que fazer. Não quero me afastar e perder os bons momentos que jamais voltarão simplesmente porque não sei cuidar dos meus sentimentos. Eu sou naturalmente romântica, mas acho que posso separar as coisas. Eu sei que não é possível gostar de duas pessoas ao mesmo tempo, eu não me envolveria com meu amigo e estragaria meu relacionamento com Deus. Sobre esta última parte, eu tenho incentivado ele. Não por gostar dele, mas só porque parece a coisa certa a se fazer. Ele já conhece Jesus, a vida espiritual não é brincadeira, mas tudo que posso fazer é orar e ajudar aqui e ali, o resto é com o Espírito Santo. As vezes penso ” se eu parar de gostar dele e ele mudar de vida e for possível estabelecer um relacionamento, vai ser tarde não é? Afinal, eu parei de gostar dele, não posso simplesmente retomar meus sentimentos. Ou posso? O que ele pensaria?” Isso é normal? Eu queria ser mais madura e certeira sobre o que sinto por esses rapazes. Não quero ficar com um olho no peixe e outro no gato, não quero ficar fazendo charme pra ninguém, mas eu faço. Eu não sei o que você entendeu desse final, se pareceu que eu sou má ou sei lá…mas não é algo diabólico, tipo, eu só sou legal e se alguém gostar disso okay. Não consigo explicar. Eu amo ele como meu amigo, mas eu não amo ele romanticamente falando e nem amo o outro cara. Me pergunto se pareci muito ruim nesse texto. Por favor, me ajude. D. P.s.: meu amigo sabe das minhas condições para um namoro, já conversamos descontraídos sobre isso. P.s.2: sobre aquele voz do “é ele”, reconheço que posso ter me enganado, mas pareceu muito real, mesmo assim, morro de vergonha de falar com esse menino e ele foi bem seco quando conversei um pouco por mensagem (não era tipo, pra puxar conversa, eu conversei porque era necessário) só o cumprimentei algumas vezes. P.s.3.: fui bem na maioria das provas finais, lembra que eu estava com medo? Lembra sobre não dormir para estudar? Mesmo tendo dormido tarde durante a semana, eu acabei confiando em Deus de não ultrapassar os limites, quando fiquei cansada demais arrumei para deitar e confiei em Deus, não só nas semanas de prova, mas nas de tarefa também e seu tempo de fazer o que eu precisava, seja antes da aula e até durante algumas que eu tinha facilidade. Obrigada por incentivar. Desculpa, acabei de ler algo aqui e tinha que te falar que meu amigo respeita a mim e minha fé. Ele é ótimo, não fica tentando me desvirtuar e entende minhas prioridades. Ele é católico, mas está entre um praticar/não praticar. Ele não é sujo ou ruim comigo e nem com nenhuma outra menina. Mas eu sei o que é certo e o que é errado. Não quero ficar fazendo o que é errado. Como ele é um amigo que pedi para Deus, acho que preciso realinhar meus sentimentos e atitudes, não deixar de ser amiga dele.

Hello, querida D.! Por aqui, curtindo o Advento e fazendo preparativos para o Natal (minha época favorita do ano, junto com a Páscoa).

Para nossa conversa de hoje, vamos começar pelo final. Não há motivo para você se preocupar se você pareceu má ou ruim. Com certeza não foi a impressão que tive. Além disso, sua santidade, bondade e identidade (quantas “ades”, rs) não residem em você, e sim em Cristo e em tudo o que ele fez por você. Nele você é santa, amável, amada – sempre. Fique em paz a esse respeito.

O fato de você estar confusa quanto a seus sentimentos não é, necessariamente, sinal de imaturidade. Aliás, a capacidade de reconhecer essa confusão mostra que você tem maturidade suficiente para saber que nem sempre temos clareza a respeito do que se passa dentro de nós. Não deixe, portanto, que essa perplexidade lhe cause angústia. Todos nós temos sentimentos confusos, mistos, indefinidos ao longo da vida. Essa é uma excelente oportunidade de você descansar a cabeça, parar de procurar analisar cada detalhezinho de seu mundo interior (e das suas atitudes exteriores) e confiar que, no momento certo, Deus vai lhe dar a sabedoria e a clareza de que você precisa. Ele sabe exatamente o que está em seu coração. E ele não está surpreso, nem admirado, nem frustrado, nem horrorizado 🙂  Ele quer apenas que você confie e repouse na certeza de que, se você continuar andando perto dele, encontrará a saída desse labirinto. Confie, também, que Deus já está guiando você em suas atitudes em relação a seu amigo.

É importante que você se mantenha firme na convicção de que, por enquanto, um compromisso de namoro entre vocês é inviável. Por mais legal, respeitador, honrado, íntegro que seu amigo seja, ela ainda não assumiu um compromisso de vida sério com Deus e, portanto, não faz parte do seu universo de possibilidades. Como você disse, esse é o momento de pedir que Deus realinhe seus sentimentos e atitudes. Agora, isso não significa que é para sempre. Você está tentando enxergar longe demais. A meu ver, é possível suspender e retomar afetos – isso porque verdadeiro amor não é feito só de sentimentos. Portanto, concentre-se no que você precisa fazer agora. Converse com Deus e pergunte para ele se, talvez, seria boa ideia afrouxar um pouco os laços com seu amigo para que essa proximidade toda não cause sofrimento para nenhum dos dois. Não estou dizendo para cortar a amizade, mas talvez dar um passinho para trás. Desse modo, você cooperará com o Espírito no processo de receber clareza.

Quanto ao menino da igreja, se a voz que você ouviu realmente foi de Deus, você não precisa fazer nada nem sentir nada no momento. Não precisa nem tentar conhecer melhor o garoto e fazer amizade com ele. Pode ficar na sua e ver como Deus vai encaminhar as coisas. Se foi uma revelação divina, Deus vai ter de agir primeiro.

E sim, eu sei que “fazer nada” é difícil, kkk. Mas, quando a gente se encontra em um momento de perplexidade, apertar “pausa” é a melhor maneira de acalmar o ser interior, deixar Deus mostrar o próximo passo e não tomar decisões precipitadas, em função de sentimentos confusos (que, obviamente, não são parâmetro adequado). Aproveite as férias para se recolher um pouco, renovar as forças físicas, mentais e emocionais e use esse tempo para simplesmente reafirmar sua confiança de que, na hora em que você precisar de uma definição para esses relacionamentos, Deus vai lhe mostrar. Talvez as coisas ganhem contornos mais nítidos em semanas. Talvez leve meses ou até anos para você descobrir o que Deus planejou para essa área de sua vida. Enquanto você espera, ore apenas para Deus ajudá-la a agir como alguém que está esperando, ou seja, a não criar expectativas e esperanças em outros (não jogar muito charme, como você falou, kkk), mesmo que seja de forma não intencional. Deus com certeza pode ajudá-la a se posicionar corretamente em relação a seu amigo e também ao garoto da igreja.

Entendo que não é super divertido estar no meio dessa situação, mas procure ver esse momento com curiosidade – tipo “o que será que Deus vai fazer em seguida?”. Você não está com um  olho no peixe e outro no gato. Simplesmente está esperando. Que Deus aprofunde seu relacionamento com ele nesse tempo de espera, minha amiga.

Aproveito para lhe desejar um Natal muito alegre em família e encaminhá-la para nossa mensagem de fim de ano: http://depapocomasu.blog.br/deus/2018/12/a-luz-da-reconciliacao/

E, se Deus quiser, seguimos juntas na caminhada em 2019! 🙂

 

Kisses,

Su

 

P.S.: Fiquei bem feliz de saber que você conseguiu descansar e confiar em Deus nas semanas finais de estudos este ano. Muito grata ao Senhor por isso!

Compartilhe!:

Posts Relacionados