Olá querida Su. Por que os primogênitos como Abraão, Isaque e Jacó ( que na verdade usurpou o lugar do irmão) tinham direito a maior parte das bênçãos? Eu as vezes fico pensando, mas e outro filho, não merece o melhor também? Mais sei que há tudo um propósito. Ainda não consigo entender completamente Desde já obrigada. L.

Hello, L.! Para dar uma resposta completa para sua pergunta, seria necessário apresentar aqui uma série de estudos bíblicos, rsrs. Mas, aqui vai um resumo beeem resumido!

  1. Precisamos entender que quando a Bíblia fala dessas “bênçãos” dos primogênitos, não está dizendo que ele seria necessariamente mais beneficiado, próspero, feliz, saudável que os outros (esse tipo de bênção sempre foi resultado de relacionamento com Deus, e não de uma convenção cultural). A “bênção” transmitida de Abraão para Isaque e Jacó era, na verdade, a promessa que Deus fez a Abraão em Gênesis 15 (quando fez uma aliança com ele), de formar um grande povo (Israel) por meio de Abraão. Deus não escolheu Abraão principalmente porque ele era o filho mais velho, mas porque, em sua soberania, resolveu fazê-lo. É bom lembrar, ainda, que Isaque não era o filho mais velho de Abraão. O mais velho era Ismael (filho de Abraão com Hagar). E, embora Ismael tenha nascido como resultado de um “jeitinho” que Abraão e Sara tentaram dar para cumprir logo a promessa de Deus, ainda assim Deus prometeu muitas bênçãos para Ismael. Veja Gênesis 17.20-21. Isaque recebeu as promessas dadas por Deus a Abraão porque ele era o filho indicado por Deus nessas promessas, e não simplesmente por ser o mais velho.

Ismael, Esaú e, mais tarde, Ruben (filho mais velho de Jacó) não herdaram o privilégio de transmitir a aliança (promessa) que Deus tinha feito com Abraão. Não significa, porém, que ficaram de mãos abanando.

  1. Se Ismael, Esaú, Ruben e outros filhos mais velhos do relato bíblico tivessem andado perto de Deus e sido fiéis a Deus (o que, geralmente, não foram), eles teriam recebido as inúmeras bênçãos decorrentes de um relacionamento pessoal com Deus.
  2. Na sociedade patriarcal daquela época, de fato os filhos mais velhos tinham uma parte maior da herança do pai. No entanto, não era uma divisão injusta, pois também era responsabilidade do filho mais velho tomar o lugar do pai como provedor e líder da família quando o pai falecia. Isso significa que ele devia usar as riquezas da família para cuidar do bem-estar de todos os seus membros, inclusive dos irmãos mais novos, quando necessário. Os bens não eram só para ele, mas para que ele administrasse em lugar do pai.
  3. O fato de Deus ter escolhido filhos mais novos em algumas situações mostra que as bênçãos de Deus não são “automáticas”. Romanos 9 fala sobre isso. Aliás, os versículos 6 em diante tratam justamente dos patriarcas.

Resumindo, nenhuma provisão vinda de Deus é injusta – e, quando as coisas são feitas verdadeiramente do jeito de Deus, nunca prejudicam uma pessoa para beneficiar outra.

Ufa! Por enquanto é isso. Espero que tenha esclarecido pelo menos um pouquinho : )

Até!

 

Kisses,

Su

Compartilhe!:

Posts Relacionados