Olá Su! Quando te perguntei sobre meu amigo e o moço da igreja, parte da sua resposta foi isso: “A meu ver, é possível suspender e retomar afetos – isso porque verdadeiro amor não é feito só de sentimentos. ” Eu fiquei pensando nisso, mas tive um pouco de dificuldade para entender essa suspensão e retomada de afeto. Poderia me dar um exemplo, por favor? Eu também gostaria de entender melhor essa parte: “Enquanto você espera, ore apenas para Deus ajudá-la a agir como alguém que está esperando, ou seja, a não criar expectativas e esperanças em outros (não jogar muito charme, como você falou, kkk), mesmo que seja de forma não intencional. ” É possível criar expectativas nos outros de forma não intencional? Como seria isso? E é somente orando que podemos evitar? Desde agora, muito obrigada. D.

Hello, D.! Obrigada por voltar para a gente esclarecer essas questões 🙂

Quando digo que é possível suspender e retomar afetos, penso na relação entre sentimentos e decisões ao longo do tempo. Afeto tem a ver com sentimento de interesse, carinho, apego. Amor é a decisão de buscar o bem do outro em longo prazo, mesmo quando os sentimentos de afeto variam (você já leu este post aqui? http://depapocomasu.blog.br/mix/2018/06/amor-e-paixao-duas-coisas-diferentes/). Se os sentimentos não são alimentados, eles podem morrer ou “hibernar”, dependendo de como Deus agir em nosso coração.

Por exemplo, conheço meninas que se interessaram por alguém e que, depois de orar, entenderam que não era o momento de assumir um compromisso de namoro. Elas pararam de alimentar os sentimentos e pensamentos sobre o garoto e, em alguns casos, até se afastaram dele. Com a ajuda de Deus, elas tomaram a decisão de não cultivar aquele afeto ou interesse inicial. Lá na frente, meses ou até anos depois, Deus encaminhou as coisas de modo que o casal se reaproximasse e, então, mostrou para essas meninas (e para os respectivos meninos também, obviamente, kkk) que era o momento certo de dar um passo em direção a um compromisso sério. Parece meio doido isso, não? Mas já vi acontecer mais de uma vez 🙂
E, quanto a não criar expectativas de modo acidental, é o seguinte: Como a gente não controla os sentimentos e pensamentos dos outros, às vezes acaba dando esperanças sem querer simplesmente porque não deixa as coisas muito claras. É comum uma menina entrar em “modo espera” para buscar a vontade de Deus e não falar nada para o menino. E aí, quando ela é super legal com ele, continua a cultivar a amizade, e tals, o menino acaba concluindo que há motivos de sobra para ter esperança.

Mesmo que você não tenha certeza se um garoto está a fim de você, caso você esteja buscando direção de Deus, acho sempre legal comentar, como quem não quer nada: “Então, eu estou numa fase de pausa em minha vida, esperando Deus me mostrar o próximo passo. Enquanto ele não esclarecer algumas coisas, sei que não posso assumir um compromisso com ninguém. É meio difícil e assustador. Mas também é legal, porque eu estou aprendendo a ouvir a voz de Deus no meio dos meus sentimentos”. Tá, não precisa fazer esse discurso todo (rsrs), mas procure comunicar essa ideia para o garoto de alguma forma. A meu ver, isso ajuda a não passar, acidentalmente, a ideia de que você já resolveu o que vai fazer quando ainda não é o caso.

Espero que tenha ficado um pouco mais claro. Se ainda tiver dúvida, é só escrever de novo!

 

Ah, e mais uma coisa, quanto a nossa conversa sobre a Trindade, da última vez que lhe respondi, esqueci-me de passar uma fonte super legal de textos bíblicos sobre esse assunto: O Catecismo de Westminster que, aliás, é útil para esclarecer várias dúvidas teológicas. Dê uma espiada aqui:

http://www.monergismo.com/textos/catecismos/catecismomaior_westminster.htm, especialmente nas perguntas 9 a 11.

 

Até a próxima!

 

Kisses,

Su

Compartilhe!:

Posts Relacionados