Su, estou com um grande problema. Bom, primeiro vou contar a história, para que a pergunta faça sentido. Aos 15 anos, meu melhor amigo, que estudava na mesma sala que eu, me pediu em namoro; Deus disse que nós deveríamos esperar. Nós decidimos que, aos 19 anos mais ou menos, nós iríamos orar juntos (caso ainda houvesse interesse de ambas as partes pelo namoro) Isso porque, nós chegamos ao consenso de que nessa idade, estaríamos realmente preparados para assumir um compromisso. Foi difícil no começo, mas nós acabamos nos acostumando. Aos 17, no último ano do ensino médio, nós ficamos bem preocupados, até porque, ali era o único lugar que a gente podia se encontrar. Porque eu nunca pude sair com amigas, então, imagina sair com um amigo que gosta de mim. Enfim. Nós entramos na faculdade e aí ficou bem difícil de se encontrar. Esse mês ocorreu um dos poucos encontros, por causa do meu aniversário. E aí que entra o problema. A saudade era imensa, nós dois conseguimos nos encontrar no horário do almoço. Conversamos para caramba. E aí acabou rolando um momento, em que nós começamos a falar sobre não ter desistido um do outro. Ele acabou falando que ainda me ama e que no momento certo nós estaremos juntos orando. Infelizmente, ocorreu uma troca de olhares e sorrisos que terminou com um beijo. Alguns segundos depois, nós percebemos a bobagem que a gente tinha feito. Ele me pediu desculpas. Nós estamos bem. Mas Su, eu estou tão preocupada. Eu desobedeci a Deus, será que foi muito ruim o que aconteceu? Quer dizer, eu sei que foi, eu pedi perdão para Deus, eu me arrependi. Mas eu tenho medo da gente ter estragado tudo! Su, nós esperamos faz 3 anos, ano que vem a gente iria começar a orar. E se nós tivermos estragado tudo? E se nós jogamos tudo no lixo? Eu não queria que isso tivesse acontecido. Eu não queria ter beijado ele fora de um namoro. Para piorar a situação, nós éramos BV até ali. Foi o primeiro beijo que a gente deu na vida. A gente provavelmente nunca vai esquecer desse erro. O que eu faço? S.

Hello, S.! Você está certa de ter consciência do pecado e de suas consequências, mas é preciso manter a devida proporção das coisas. É verdade que não existem pecados maiores ou menores, mas existem pecados com consequências muito diferentes em suas proporções. Um beijo impulsivo como esse, por exemplo, não é a mesma coisa que uma relação sexual antes do casamento. Roubar um chocolate do supermercado não é o mesmo que matar uma pessoa. Precisamos cuidar para não colocar tudo “dentro do mesmo saco”, como se tivesse as mesmas implicações.

Além disso, você parece não estar levando em consideração como Deus opera diante dos pecados perdoados. A Bíblia diz claramente que “se confessarmos os nossos pecados, [Deus] é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça” (1João 1.9). Isso significa que depois de se arrepender e pedir perdão você começa do zero. É fundamental você aceitar o perdão de Deus e viver como alguém que foi perdoada. Se você se apega a esse erro e imagina que tudo está perdido por causa dele, é como dizer que seu erro é maior do que o poder de Deus. Nosso Deus é santo e  justo, MAS também é cheio de misericórdia, graça e bondade. Deus não nos castiga por pecados perdoados. Deixe que essas palavras cheguem ao fundo de seu coração e de sua mente. Em alguns casos (não todos!), Deus permite certas consequências naturais dos nossos pecados. Até nesses momentos, porém, ele é tão bondoso e maravilhoso que nos sustenta e nos abençoa mesmo em meio a essas consequências.

Portanto, minha amiga, pare de olhar para si mesma. Pare de olhar para o pecado que já foi perdoado. Olhe para Jesus. Olhe para o amor indescritível que o levou a morrer por todos os seus pecados – passados, presentes e futuros. Aceite o perdão e siga em frente com seu plano de orar juntos e buscar a vontade de Deus para esse namoro. Vocês estão limpos diante de Deus e podem recomeçar!

O inimigo adora ficar esfregando nossos erros na nossa cara e adora nos encher de falsa culpa mesmo depois que Deus nos perdoou. Ele faz isso para nos afastar de Deus exatamente nos momentos em que mais precisamos nos aproximar dele. Leia e medite com calma sobre Hebreus 4.14-16 (o versículo 16 é um dos meus favoritos).

Portanto, acheguem-se a Deus. Alegrem-se no perdão, na graça e na misericórdia dele. E não tentem fazer as coisas com suas próprias forças, pois isso só trará fracasso e frustração. Busquem forças de Deus para seguir a vontade dele. Vivam em total dependência dele, em comunhão e intimidade com ele. A melhor forma de agradar a Deus não é simplesmente deixar de pecar. O que agrada verdadeiramente o coração é nosso relacionamento próximo de sujeição e total confiança nele! 🙂

E, sempre que quiser trocar uma ideia, passe aqui. Estamos à disposição!

 

Kisses,

Su

Compartilhe!:

Posts Relacionados